TS# 244 Entrevista: Lojistas e suas relações com blogueiros.


Olá bloggers! #Meninos #Meninas #Indefinidos

Já faz um chãozinho que eu publiquei AQUI uma entrevista com 5 blogueiros, que curto bastante, para que eles pudessem dar dicas sobre o trabalho que realizam. Agora, chegou a vez daqueles que nos deixam bem felizes quando nos escolhem: os patrocinadores.

A gente sempre lê por aí que o foco do nosso blog é o público alvo. E é mesmo. Tem que ser. É o público que nos lança no mercado, olhando nosso trabalho, curtindo, compartilhando, favoritando... é a nossa clientela a nossa mola propulsora.

Contudo, é impossível negar que a busca por bons patrocínios também tem seu lugar no quesito "o que nos motiva". Qual blogueiro nunca procurou um tutorial específico, para melhorar algo em seu trabalho, com a intenção de conseguir este ou aquele patrocínio? Qual blogger não pulou feito milho em panela quente quando viu que foi selecionado para representar aquela marca babadeira pela qual lutou tanto? Ora, seja sincero com vc mesmo!

Os patrocinadores têm um papel muito importante na nossa vida. Manter um blog não é barato. Não falo aqui de custos de domínio ou algo do tipo porque, bem sabemos, não se faz necessário gastar com tais ferramentas. Podemos manter nosso blog na rede sem pagar nada. O que encarece essa vida de blogger é a constante atualização do nosso inventário.

Cabeças, corpos, cabelos, roupas, sapatos, objetos de decoração etc etc etc... isso leva a um gasto sem fim de dinheiro. Não podemos nem bater o pé de que só vamos ter uma cabeça mesh, um corpo, só postar cabelo free e outras medidas "radicais". Até podemos. Mas, não devemos. Porque ele, nosso público, sempre vai dar uma espiadinha no nosso trabalho esperando algo mais... uma dica nova, um lançamento, um tipo de cabelo específico... Enfim, ou a gente começa a negociar os próprios órgãos (dá pra viver com um rim só, né?!) para ter dinheiro suficiente ou vamos correr atrás de patrocínio.

Agora, o que essa galera pensa a respeito do nosso trabalho? Será que, para eles, fazemos toda a diferença ou a vida sem a gente seria a mesma coisa? Como eles avaliam, observam, criticam nosso trabalho? Já já vamos saber.

Eu gostaria de ter feito essa postagem com 5 lojistas. Não foi possível. Eu fiz vários convites (nem vou falar quantos porquê vai assustar). Apenas duas pessoas rejeitaram o convite: uma que se negou a participar e uma outra pessoa que foi sincera e disse que não havia condições de fazer. As demais toparam participar, receberam o formulário, ficaram de entregar no prazo e, de todos esses que fecharam comigo, apenas 4 cumpriram o acerto. Eu tinha que desabafar. É triste dizer mas, é complicado mesmo trabalhar com brasileiro. A pessoa quer que seu trabalho seja levado a sério e não leva a sério o trabalho do coleguinha.

Um dos entrevistados até me passou alguns nomes que topariam (e iriam) participar de fato. Entretanto, eu não tinha mais cara de convidar mais ninguém. Esse post era para ser publicado no dia 03/07 (alguns foram convidados após essa data, quando notei que nem todos cumpririam o compromisso). Fiquei cansada.

Enfim, vamos então mostrar aqui o ponto de vista da galera que soube manter a palavra. Cada entrevistado recebeu um bloco de notas com 10 perguntas que deveriam responder e, por fim, assinar para que eu não confundisse nada na hora de publicar. Vamos conhecer os entrevistados:

Alana Addens - sócia proprietária da loja La Perla

Jonas Acanthus - proprietário da loja Zoom



Marinahh Mayako - proprietária da loja FurtaCor



Pacagaia Resident - proprietária das lojas Pacagaia Creations e Play Pose (o convite foi feito com foco na Pacagaia Creations)


Agora, as perguntas que fiz e as respostas de cada um:

1 - Como começou a sua história como lojista?
Alana: A história da loja foi engraçada. Começamos em uma conversa espontânea pois queríamos fazer algo diferente. Então surgiu a ideia de lingerie. Não queríamos nada vulgar, mas sensual. Então surgiu a LA Perla no dia 05-03-2016.

Jonas: Na realidade minha primeira loja não foi a ZOOM e sim Public Enemy, vendia roupas com sculpt. A ZOOM nasceu por causa da vontade que eu tinha de ter uma loja focada em um seguimento, e sempre gostei de óculos, então decidi fechar a Public Enemy e focar apenas em acessórios na ZOOM. 

Marinahh: Com mais ou menos um ano de jogo, em 2008/2009 comecei a criar pulseiras que oferecia para as pessoas. Mas, decidi mesmo a começar uma loja quando tive que ficar um tempo sem logar, devido um problema com minha placa de rede. Eu estava viciada em Second Life. Então, comecei a pesquisar sobre criar roupas. Não sabia nada de Photoshop, fui aprendendo aos poucos. Quando pude voltar ao jogo, comprei 30 reais em lindens, esse foi meu investimento inicial. Criei a MMayako. Aluguei uma lojinha em um shopping movimentado e comecei a vender. Desde então, nunca mais coloquei dinheiro no jogo, investia com os lindens que ganhava. Há dois anos decidi criar uma nova marca para dar um up, então surgiu a FurtaCor. Hoje possuo duas marcas, a FurtaCor e a LA PERLA, essa conto com a parceria da minha querida amiga Alana Addens.

Pacagaia: Foi em 2011, a minha loja se chamava World Baby&Kids, eu fazia móveis para os pequenos. Depois comecei a fazer roupas de grávida e acabei gostando e em 2012 fechei a loja de móveis e mudei o nome para Pacagaia e desde então só fiz roupas e sapatos.


2 - O que sua loja representa na sua vida hoje?

Alana: Representa muito, primeiro que tenho uma sócia incrível que está sempre me ajudando. Segundo, que estou aprendendo coisas que nunca imaginei fazer no Second Life. Terceiro, que é gratificante ter algo dentro do jogo. onde posso me divertir e ao mesmo tempo ganhar dinheiro.

Jonas: Hoje em dia praticamente tudo. Vivo 7 dias da semana em função dela, trabalho em torno de 15 horas do meu dia para mantela atualizada.

Marinahh: A loja é meu segundo trabalho. É minha fonte de renda na RL.

Pacagaia: É uma das minhas rendas RL.


3 - O que há de mais difícil e de mais gratificante no seu trabalho?
Alana: Mais difícil é criar as roupas, requer muita paciência e insistência. O mais gratificante do nosso trabalho é o reconhecimento. 

Jonas: O mais difícil é você aceitar que tudo no SL existe "a panela". Você ter contatos vale mais que o seu trabalho, isso frustra um pouco. O mais gratificante é ver o cliente que vai no seu IM feliz por causa de um item que você fez.

Marinahh: O mais difícil é conseguir administrar meu tempo para conseguir trabalhar no Second Life. Eu tenho meu trabalho RL e também sou mãe de uma menina de 4 anos, por isso tenho que saber administrar meu tempo para dar conta de tudo. O mais gratificante é o reconhecimento do meu trabalho, todos os dias recebo notes de meus clientes agradecendo por minhas criações. Isso me motiva a continuar a criar sempre.

Pacagaia: O mais difícil é lidar com os haters, muitas vezes é tão grave que eu tenho que enviar um RA (Report Abuse) ou abrir um ticket por copybot, listagem de spam, resenhas com xingamentos ou uso indevido das minhas imagens para enganar as pessoas. Não só eu, muitos lojistas tem passado pelos mesmos problemas... e isso as vezes desanima um pouco. Mas, ainda assim eu amo o que eu faço, é preciso tempo e esforço, mas o trabalho vale a pena... fazer algo de que gostamos torna mais fácil passar por essas barreiras. 


4 - Agora vamos entrar no tema "Relação com os blogueiros". Porque decidiu ter um time de blogueiros?

Alana: Porque já fui blogueira e algumas delas fazem um trabalho excelente e ajuda a divulgar a marca. 

Jonas: Blogueiros são importante no SL devido a publicidade, alcançar um público que as vezes nunca viu sua loja. Então, é muito importante ter um time de blogueiros.


Marinahh:  Precisava divulgar a minha marca, já que estava começando e ela não era conhecida.

Pacagaia: Divulgação e também nem sempre temos a oportunidade de ver os clientes usando as nossas criações. Então, eu fico muito feliz quando vejo os blogueiros usando as minhas coisas em vários estilos diferentes. haha


5 - Qual foi a maior dificuldade que encontrou para montar sua equipe?
Alana: A nossa loja não teve dificuldades. Pois, na altura eu era blogueira e muitas me ajudaram.

Jonas: Você cobrar alguns blogueiros e isso é bem chato, pegar o item e não blogar, isso pra mim é desmerecer o trabalho do designer. 


Marinahh: Eu era totalmente noobie em relação a isso. Quando criei a FurtaCor estava voltando ao SL depois de um tempo afastada por causa da gravidez e do nascimento da minha filha. Tinha muita dificuldade para conseguir novos clientes e achei que uma equipe de bloggers ajudaria a divulgar a minha marca, o que aconteceu de fato.

Pacagaia: Encontrar blogueiros com comprometimento e amor pelo o que faz é sempre difícil.



6 - Muitos creem que no SL há um certo preconceito com os brazucas, de qualquer profissão. Você acredita que os blogueiros, brasileiros ou não, preferem parcerias com lojas de outras nacionalidades?
Alana: Bom, eu acho que os brasileiros não são unidos em nada no jogo, tanto como bloggers ou como lojistas. Em todo lado tem uma "panela". O que me chateia são algumas que começaram junto conosco e foram crescendo e, de repente, olhamos no grupo e já não estão. Nem um muito obrigada. 

Jonas: Antigamente existia bastante esse preconceito devido ao copyboot de brasileiros. Mas, na atualidade, tudo isso caiu por terra, tem muitos lojistas brasileiros que conseguiram entrar em eventos de alto escalão. Com relação aos blogueiros eu vejo pela minha loja, tem uma mesclagem muito grande de blogueiros tanto brasileiros quanto de outras nacionalidades.

Marinahh: Eu creio que os blogueiros estão em busca de patrocinadores que oferecem qualidade em suas criações. Temos muitos designers brasileiros que oferecem isso, mas a maior parte dos criadores são estrangeiros. Creio também que os blogueiros buscam status para o seu blog e acreditam que as marcas mais populares irão levar mais pessoas a visualizarem suas postagens.

Pacagaia: Eu não fico olhando a nacionalidade dos meus blogueiros, eu quero pessoas comprometidas com o que fazem. Segundo a lenda, um brasileiro inventou os viewer copybot. Verdade? Eu não sei... mas isso ajudou bastante para gerar esse preconceito. Eu acredito que o preconceito maior está entre os próprios brasileiros, assim como eu já vi muitos blogueiros brasileiros dizer que não bloga para lojas brasileiras, também já vi lojistas brasileiros dizer que não patrocina blogueiros brasileiros. 

7 - Quantidade x Qualidade: um time grande para ter maior divulgação ou uma equipe menor para administrar melhor o trabalho?
Alana: Uma equipe menor para administrar melhor o trabalho. É o que estou fazendo com a LA Perla e está correndo bem no momento. 

Jonas: Com certeza um time menor que tenha qualidade. 

Marinahh: Eu sempre opto pela qualidade. Hoje conto com cerca 25 blogueiros ativos, sendo que a maioria está comigo desde o início da FurtaCor. Eu valorizo muito a dedicação do meu time de bloggers. É uma parceria de anos. Tenho muito a agradecer também a minha Manager, Roberta Langer, que nos ajuda a administrar o grupo da FurtaCor e LA PERLA.

Pacagaia: Uma equipe menor para administrar melhor o trabalho.

8 - Flickr, Facebook, notícias em grupos dentro do SL, Pinterest.... qual a ferramenta de divulgação que o blogueiro usa que faz a maior diferença nas vendas?
Alana: Flickr e facebook sem duvidas. 

Jonas: Geralmente o Flickr tem bastante impacto.


Marinahh: Sinceramente eu não tenho essa noção de qual ferramenta que faz maior diferença nas vendas, acredito que seja o conjunto delas. Mas, como eu disse no começo da entrevista, eu preciso do blogueiro para ajudar a divulgar a minha marca, para que ela se torne conhecida para meu público alvo. Não creio que seja dever do blogueiro vender o produto, isso cabe ao lojista.

Pacagaia: O Facebook e o Flickr são duas ferramentas poderosas de divulgação.

9 - O que de mais decepcionante pode acontecer nessa relação loja x blogger?
Alana: Falta de compromisso e falta de organização.

Jonas: Falta de compromisso. Infelizmente, vejo muitos blogueiros que não são profissionais. Ser blogueiro É UM TRABALHO, e você tem que fazer ele o melhor possível para mantê-lo profissional.
Odeio blogueiros que acham que essa profissão é um favor para o designer, quero dizer, é uma via de mão dupla, essa profissão no SL só existe por causa que existe lojas.

Marinahh: A falta de compromisso com o patrocinador é o mais decepcionante. É claro que fico chateada com aqueles que pedem pra blogar quando não tem patrocínio e depois de um tempo, depois
de conseguir patrocínio com as lojas gringas de status, acabam abandonando aquele que mais o apoiou no começo. Por isso tenho sido bastante criteriosa na aceitação de novos blogueiros, quero pessoas que realmente gostam da FurtaCor e LA PERLA, e que não nos abandonará mais tarde.

Pacagaia: Quando alguns blogueiros não seguem as regras e eu preciso remove-los do grupo.

10 - Para terminar quero blogar para sua loja, quais requisitos preciso ter? 
Alana: Blogar o conteúdo de LA PERLA pelo menos 3 vezes por mês. Uma média de +40 favs e 240 visualizações no Flickr. Muita criatividade.

Jonas: Hoje o time de blogueiro está completo. Mas, para ser um blogueiro da ZOOM tem que ter qualidade e compromisso com as regras da loja.

Marinahh: Ter compromisso com a marca. Ter experiência como blogger, no minimo 6 meses de blog. Gostar das nossas criações, se identificar com elas. Ter as ferramentas de divulgação necessárias para atingir as pessoas. Ser apaixonado por seu trabalho e não blogar somente para conseguir itens de graça.


Pacagaia: Comprometimento, comprometimento eu já disse comprometimento? Ah... se você for criativo igual a Tayga ajuda também haha :) (Ohhhhh que fofa ♥ muito obrigada)

Então é isso pessoas!!! Amigos brasileiros, vocês me conhecem, não tomem como ofensa o desabafo que fiz mais acima. Eu fiz questão de fazer esse trabalho com brasileiro justamente porque sei que somos tão (ou até mais capazes) que os gringos na hora concretizar grandes realizações aqui. Vocês acabaram de ler opiniões de 04 brazucas que, SIM, fazem toda a diferença dentro desse metaverso.

Obrigada a todos que participaram.

Hoje, os Links Importantes vão levar vocês às lojas maravilhosas dos nossos entrevistados.




LA PERLA
Landmark: http://maps.secondlife.com/secondlife/MLBR%20Paraty/134/74/3502
Marketplace: https://marketplace.secondlife.com/pt-BR/stores/182215
Facebook: https://www.facebook.com/laperlaasl/
Flickr: https://www.flickr.com/photos/105510514@N07/

ZOOM:
Landmark: http://maps.secondlife.com/secondlife/Iced%20Gems/175/174/23
Marketplace: https://marketplace.secondlife.com/pt-BR/stores/133226
Facebook: https://www.facebook.com/ZOOMSECONDLIFE/?pnref=lhc
Flickr: https://www.flickr.com/photos/jonasacanthus/

FURTACOR
Landmark: http://maps.secondlife.com/secondlife/MLBR%20Paraty/152/55/3502
Marketplace: https://marketplace.secondlife.com/pt-BR/stores/31239
Facebook: https://www.facebook.com/furtacor.sl/
Flickr: https://www.flickr.com/photos/68577351@N06/

PACAGAIA CREATIONS / PLAY POSE
Landmark: http://maps.secondlife.com/secondlife/InTouch/235/204/21
Marketplace: https://marketplace.secondlife.com/pt-BR/stores/101140
Facebook: https://www.facebook.com/PacagaiaCreations/
Flickr: https://www.flickr.com/photos/pacagaiacreations/

Espero que tenham gostado. Até a próxima.

6 comentários